Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MEIADESFEITA

Este é um espaço de temática aberta, conforme a inspiração do dia (Todos os direitos dos poemas são reservados por direitos de autor)

Este é um espaço de temática aberta, conforme a inspiração do dia (Todos os direitos dos poemas são reservados por direitos de autor)

Oh Valentim , valentim

Lua em Leão - Dia dos Namorados.png

Ah Valentim, Valentim, tão arredio tão longe de mim Sê mais valentão e oferta-me algo Algo tangível, que eu possa tocar com a mão Algo tangível, mimoso e mágico Que me ponha a sonhar com a lua E tu sabes de quem eu gosto, oh se sabes! Aqueles olhos lindos, lindos de cristal Refletem luz e alma, Belos e mágicoso como o arco-íris Como queres que tenha calma? Anda fugida de mim Deixou-me só, neste deserto lunar Essa coisa que me dás,oh valentim, não é lua Sem fases ou luar Oh valentim, qual é a tua? Como eu gostava de nela alunar

lua rose.jpg

Luz, sol e lua...na fonte viva, alma minha, alma tua

 

 

 

Dia e noite

Noite e dia

Ou à hora do meio-dia

revivo, bem acordado,

Divago…

Recordo a cor do sol

E aquela fonte viva,

Paraíso de mil cores

Raro lugar, para amores

Nela, dos calores te libertei

E dos amores, delirei

Teu rosto iluminado

Me via, esperançado,

Abençoado com teu olhar.

As almas pairando,

Como se acariciando

A natureza em redor

Observava com bonomia

O carinho que via

Naquele dar-se de amor

Cantava a fonte e dizia:

- De amor, sei que vos amais!

Limpai vossos temores,

Esquecei vossos horrores

Esquecei os rumores

de quem mal  vivia,

Vede o amor dos pardais!

Na árvore defronte,

Abalaram os demais

Nos abraçámos os dois

Com o aplauso dos pardais.

As carícias vieram depois

E que dizer de teus ais?

Naquela fonte que te lavou

As cores ao redor, tudo pasmou

Com tanta formosura tua

com o mel de teu olhar, fascinando

tanta candura  e formosura tua

Mais ninguém se dessedentou

A não ser o sol e a lua

a luz a  vai iluminando

alma minha, alma tua

 

 

 

 

Menina catita

 

 

Bordada a oiro, pela lua

Linhas suaves, atraentes

Brincas na rua,

Moça catita

Rara como as aves migrantes

Entre as rosas delicadas

Bela e catita

Olhem como vai bonita

Figura  doce e vistosa

Tela em pastel brilhante

Brincas na rua, airosa

Filigrana feita gente

Pose de modelo elegante

Das flores, a mais vistosa

Menina bonita

Olhem como vai a rosa

 

Ai os olhos, um sol de ternura!

Chamam por mim, será o luar?

Borboleta de azul, lindo enfim

Cintura fina, mulher madura

Sinto seu coração a pulsar

Sigo esse cheiro a jasmim

Bela e catita

Olhem como vai bonita

 

 

 

 

Quero beijar a lua

 

 

 

Na Estrela, pura e bela
Junto do sol e da lua
Abro minha janela
 
Mirando por cima das nuvens, fascinante...
Ora céu azul, ora teu olhar claro
 
Ouvindo, num cantar radiante
Melodias de colibri….
e como eu gosto de ti,
melodia que balanceia
 
Sinto a envolvência do luar,
a seduzir,
ou o teu olhar a reflectir…
lua cheia,
 
 
                                        
Teu corpo é divino
Vou pintar-te na tela
E eu adivinho teu ninho,
num afagar de carícias,
navegar em tua caravela
 
 
Com sorriso nada avaro,
Entro em teu olhar claro,
 
Na Estrela, pura e bela
Junto do sol e da lua
Sorte a minha, sorte a tua
Largo meu barco à vela
 
Vou cuidar das colmeias,
 das abelhas e do mel,
para provar ao luar...
sedutor,
em dias de encantos,
certos olhos beijar, ou cantar
entre versos e delícias,
ouvir o rumor do mar
e teus pés beijar,
 
com a espuma a enrolar
Sorte a minha, sorte a tua
o mar a namorar

Quero beijar a lua

Oh lua, oh luar!Sou Camões sonhador

    

   

 

meu coração é a bússola


Sigo viagem

 

Miragem, com atracagem

Em certa enseada


meu porto de abrigo

,
de suave e doce aragem


 
poisado sem perigo


nesse mar tranquilo


irradiando amor

,
uma sereia com estilo


Oh doce idílio!


Sou Camões sonhador



Oh lua, oh luar!


ilumina minha sereia,


para em meu barco navegar...



Oh lua, oh luar!


ilumina minha vela!...


 
Oh sereia,rica ideia!


O paraíso vais vislumbrar...

 

 

 

Lua cheia

Dias de luar, de lua cheia, uma delícia

Senti o quanto ela nos inquieta, de tentação

Vistes os olhos de carnal perdição?

 

Eu vi e pressenti, o doce pecado

Aqui, mesmo ao lado...

Que belo, que ternura

A perpétua recriação

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

vou lendo

  • portugal profundo
  • sorumbático

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D