Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MEIADESFEITA

Este é um espaço de temática aberta, conforme a inspiração do dia (Todos os direitos dos poemas são reservados por direitos de autor)

Este é um espaço de temática aberta, conforme a inspiração do dia (Todos os direitos dos poemas são reservados por direitos de autor)

Canto de sereia

 

 

Em teu olhar

 

quero o belo admirar

 

ver o enrolar do mar

 

a cativar

 

Tu e eu, na areia

 

ouvindo o canto da sereia

 

A gaivota,

 

voadeira

 

poisou a observar

 

doces beijos na areia,

 

a espuma a saudar

 

 

Um beijo ,

 

um carinho

 

A areia a acalmar

 

a espuma  a nos beijar,

 

de mansinho

 

 

canto de sereia

 

Que belo som, o do mar

 

a compor o ninho

 

Bem solta na areia,

 

a namorar

 

sigo teu caminho

 

                                                                                        

 

 

 

                                                                              

 

Saltita e levita borboleta

 

 

                         Radiante de cor, euforia de bondade

 

  Esperta e ladina, doce e transparente

 

Como que levita no espaço mundial

 

Metamorfose de luz e ser comovente

 

Sensível e aprazível, reina como tal

 

Borboleta lúcida, ondeia de contente

 

 

 

Bonita e leve, saltita de flor em flor

 

Resplandece o jardim, em recriação

 

Beijando cada pétala, sinais de amor

 

O jardineiro se enternece, comovido

 

Rosas a florir de alegria, uma beleza

 

No amor acredita, natural condição

 

 

 

Ora levita, ora saltita, borboleta rara

 

jardineiro da sorte, cuida deste ser

 

Neste jardim de ternura, a mais pura

 

borboleta  mulher, tulipa boa de ver

 

onda de luz multicolor, a mais clara

 

leve,levemente, ondeia em ternura

 

 

 

 

 

 

Lágrima em cristal

 

 

 

Esvoaçando vi, gota leve colorida

 


Era uma lágrima, feita em cristal,


de teu coração puro, quase fugida

 


Lágrima de anjo, querendo guarida

 


Apanhei e  analisei, era dor banal


Apenas sódio, para sarar a ferida

 


Já passou, sensata mulher ideal


dia a dia, o sorriso animará a vida

 


Houve o que digo, oh musa querida

 

 

esse cristal, simbolo de amor imortal

 

tenho-o no coração, natural  guarida

 

 

lágrima, ai reprimido, o meu sal

 

sal em cristal, de teus olhos saída

 

 

Esvoaçando vi, gota leve colorida

 

Lágrima de anjo, querendo guarida

 

 

 

 

 

 

Minha Luz, meu caminho

 

 

Teus olhos são âncora, de amizade


neles me perco, com a luz da ternura


e reflectem pessoa pura, algo dorida


credora de bem precioso, a felicidade


Me sinto bem, na paz de tua guarida


Alma acolhida, como irmã, na verdura


de um olhar, doce no ser, claridade


Tão distante e  proxima, oh ventura


Sou feliz em te contemplar e seguir


rumo certo de saber, na sensibilidade


Fortaleza e beleza, no sofrer a sorrir

 

Oh deuses, esta flor é a humanidade

 

 

 

 


 

Vida, de amor e dor

Vidas, com acasos, stress ou dor
Penas sentidas, por vezes seguidas....
Folhas caídas, de vidas desunidas
projectos de desenho, a que faltou cor

 

 

Emoção, coração e doce inquietação

viver em ternura e encanto, é vitalidade,

vitamina e remédio, em toda a idade

Mimos e carinhos, suave palpitação

 

O homem e a mulher, na harmonia

Em mútua entrega, tornada alegria

criam o supremo prodígio, do amor

árvores gigantes, plenas de vigor

 

Mas Deus e a natureza, à prova nos põem...

Ou a nossa imperfeição nos torna frágeis

 

Vidas, com acasos, stress ou  dor

Penas sentidas, por vezes seguidas....

Folhas caídas, de vidas desunidas

projectos de desenho, a que faltou cor

 

Tudo isto é vida ...que vença o amor

Cair e levantar, outro jardim plantar

nova vinha, videiras regar e podar,

O fruto terá doce, já sinto seu odor

 

 

 

Mãe, recordação com emoção

Mãe, agora saudade, recordação pura

outrora carinho, dedicação, tudo dado

Te foste da vida, tão cedo, coisa dura

Ainda tenho medo, estou ainda gelado

 

Mulher e mãe, uma grata criação divina,

Vos superais em cada acto, em amor

Forte, corajosa, mesmo a pequenina

Dádiva maternal, mais bela que a flor

 

Em segredo, digo à minha que a adoro

Todos a temos ou tivemos, um consolo

A minha é recordação, por isso choro

 

Grata recordação e com pertinência

Vou tentar ser o homem que querias

correcto e amável, justo na convivência

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

vou lendo

  • portugal profundo
  • sorumbático

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D