Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MEIADESFEITA

Este é um espaço de temática aberta, conforme a inspiração do dia (Todos os direitos dos poemas são reservados por direitos de autor)

Este é um espaço de temática aberta, conforme a inspiração do dia (Todos os direitos dos poemas são reservados por direitos de autor)

tronco de vida

 

Castanheiro de Alcongosta - Fundão - Revista Brotéria, Vol. III, 1904

 

 

 

Minha folha bem verde e colorida
Contigo fazia tronco em alegria
Abraço a ti agarrado  à vida
Os dois uma arvore em  harmonia
Verão ou  Inverno, mesma magia
Tronco robusto,seiva sagrada
No Outono, folha perene,folia
Entrelaçados,  alma imaginada

 

 

Luz do dia

Este sentir mal definido,  de atracção
Nada concreto ou palpável, pura magia
fogo mesmo, ardente sonho ou ilusão
Espero e desespero por tal vã alegria

Mas que bela morte seria...
meus olhos em teus olhos

Melhor que a luz do dia

Caminhar

Ondas leves e ternas de tentação
Com magnetismo invisível
Mas sensível

Um estar melancólico, só
Sem sentimentos de tristeza
vivo

Fim de semana com tempo
Para tudo e para nada
 preguiça

Um lento recuperar
De dias magoados
Sonhar

Mas vamos à vida…certo?
Assim se envelhece
Devagar

O que é esta vida
Cheia de nadas
Uns dias com sonhos
Outros com dores
Nossas ou
De horrores
Sofridos por alguém

Viver, sofrer
Ver sofrer
Sentir dor e amor
Tristeza e alegria
Choro e fantasia

Qual o sentido de tudo?
Feliz?
Quem o diz?


Viver, sentir e sonhar
ousar acordar

Caminhar


Novo hino a Grândola

Este Setembro quente, agridoce
trouxe ideias, ilusões, venturas
tecendo do nada, algodão doce
novos futuros, voos nas alturas

Mas este corpo velho ou carcaça
Já viu outros voos, outras folias
E pesado, agarrado à praça
Segura o espirito, voo de delícias

Sonho ao chão pregado,  inércia
entorpecendo a natural inclinação
E submetido à hercúlea tradição

Desejo e ânsia de liberdade
Sufocados na estatal obstrução

Anseio por nova cantiga, claridade
Novo hino a Grândola, minha cidade
tecendo teias de fecunda ilusão
Em mundo avaro, de tanta usurpação
ou punição, avesso à fraternidade
Submerso nas águas da maldade

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Links

vou lendo

  • portugal profundo
  • sorumbático

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D