Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MEIADESFEITA

Este é um espaço de temática aberta, conforme a inspiração do dia (Todos os direitos dos poemas são reservados por direitos de autor)

Este é um espaço de temática aberta, conforme a inspiração do dia (Todos os direitos dos poemas são reservados por direitos de autor)

Holter e cardiograma

Os fanáticos da ciência, aos males do coração

Os procuram de urgência, usando cardio-medição

Isquemias, arritmias, síncopes  ou cardio-ataque

São procurados com afã,de prevenção a rebate

Tocam os sinos roucos da médica preocupação

Mas os males são outros, vêm da falta de caricia

Natural como a água,a cair no banho matinal

A morna e doce delicia, do duche habitual

O mutuo entregar dos corpos em celebração

beijos, doces rumores e afáveis ocasiões

E quem os não tem, anda em sofrida depressão

E  os fanáticos da ciência se põem a perspectivar

Mas não têm remédio para destas dores cuidar

 

Eu, que sou aprendiz e também sofredor, infeliz

Tomo ares de doutor e mando a vocês, divinas

mulheres sensuais e de carências de todo o cariz

Da carne ou do espírito, vamos abrir as narinas

Contrariem o destino, deixem esses falsos pudores

Abram coração e alma, partilhando odores e amores

felina flor

Destemida, renasceste no ultimo luar

libertaste algo oprimido

mostraste vontade de navegar

Terás jeito, ou saberás o barco ou barca manobrar?

Tudo indica que sim, que é desta

A lua quer festa

e o tempo  não pára

Vai estar a favor,

está em causa o amor

por esta lua favorecido

Que dizes, felina flor?

Espero assistir a teu ronronar

 teu instinto selvagem provar,

com teu suave odor

Oh lua, oh luar

Deixa a felina flor navegar

Na aventura do amor

Tal jangada abençoar

 tudo é obra do criador

 

Lua cheia

Dias de luar, de lua cheia, uma delícia

Senti o quanto ela nos inquieta, de tentação

Vistes os olhos de carnal perdição?

 

Eu vi e pressenti, o doce pecado

Aqui, mesmo ao lado...

Que belo, que ternura

A perpétua recriação

 

Vida, oh vida

Dias de sentimentos indefinidos

vagos, como que perdidos

Mas necessários, mutantes

Da vida, determinantes

amadurecidos, mas contraditórios

Sofridos

 

Tempos de opção, de coragem

De planear nova viagem

 

Esperança sofrida

Vida vivida

Engrenagem

Reentremos na carruagem

 

Sonhos e pesadelos

Outros apêlos

Siga a viagem

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Links

vou lendo

  • portugal profundo
  • sorumbático

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D